sexta-feira, 12 de julho de 2019

REFORMA DA PREVIDÊNCIA


O Texto base da reforma da previdência foi aprovado pelos deputados.

Na prática a maior modificação é que ninguém mais vai se aposentar com menos de 62 anos mulheres e 65 anos os homens.
Vitória de Rodrigo Maia ou de Bolsonaro?
Em uma democracia, os projetos, como foi o caso da reforma da previdência, podem ter iniciativa do executivo ou do legislativo.
No caso da previdência, o executivo iniciou o processo e encaminhou para aprovação do legislativo.
Os deputados apreciaram na Comissão de constituição e justiça para saber se o projeto estava em conformidade com a constituição brasileira.
Após isso foi formada uma comissão especial para apreciar o texto e reformar o que e fazia necessário. (na opinião dessa comissão)
Na quarta feira os deputados, em plenário, aprovaram em primeiro turno o texto base da reforma.
Os destaques, modificações propostas pelos deputados, foram votados na quinta feira e hoje se espera que a segunda votação seja efetuada.
Após isso o projeto será encaminhado ao senado.  E depois para sanção presidencial.
Conclusão: a vitória não é nem dos deputados nem do Presidente da República.
A vitória é da democracia.

sexta-feira, 5 de julho de 2019

O GÁS FATAL.


Sadi Paulo Castiel Gitz que era proprietário da Cerâmica Sergipe estava na plateia durante a abertura do "Simpósio de Oportunidades – um evento sobre Gás Natural em Sergipe”, em que participavam o governador de Sergipe e o ministro de Minas e Energia, se suicidou com um tiro na cabeça na frente de todos.
A empresa passava por dificuldades financeiras e estava em estado falimentar, o que levou a demissão em massa dos funcionários. 600 empregos diretos e indiretos foram afetados.
 Na nota em que anunciou a paralisação, a empresa acusou, justamente, o alto preço do gás cobrado pela concessionária estadual, a Sergipe Gás, como responsável pelo fechamento da fábrica.
Esse caso é preocupante e levanta um alerta vermelho com outras empresas brasileiras.
Não estão se dando conta de que várias empresas, de todos os tamanhos, estão passando por dificuldades, pois todas dependem de energia, água, combustíveis e insumos para sobreviver e, com as condições econômicas de nosso país, elas não conseguem acompanhar os aumentos nesses produtos, principalmente os aumentos de gás e gasolina, que afetam diretamente o preço de todos os produtos, enquanto o mercado não suporta aumentar os preços nos mesmos níveis, pois não teriam consumidores.
Falências, concordatas e demissões em massa são os cenários que hoje estão nos ameaçando.
Ou tomamos providencia urgentes, ou outros empreendedores poderão se desestabilizar e tomar medidas drásticas como essa.
É hora de ter um plano emergencial para o Brasil.
Os empreendedores já não aguentam mais.
Só para lembrar os mais incautos: Para ter emprego no Brasil, precisamos ter empresas funcionando e tendo condições de sobreviver.

quarta-feira, 26 de junho de 2019

ECOCÍDIO


"Ecocídio" nova modalidade de crime é votada na Câmara dos Deputados.
Após os desastres de Brumadinho e Mariana, os deputados resolveram tomar providencia e fazer uma proposta de lei que criminaliza esse tipo de acidente.
O ecocídio será tipificado quando houver desastre ecológico que resulte na destruição da flora, mortandade de animais e estabelece que seja caracterizada como população atingida aquela que sofrer os impactos provocados pela construção, operação ou rompimento de barragens, além da perda de propriedade, desvalorização de imóveis, perda de capacidade produtiva da terra ou ainda perda de produtos ou de áreas de exercício da atividade pesqueira ou de manejo de recursos naturais.
Ora, para mim esse tipo de crime não poderia ser chamado de ecocídio, mas sim ser tipificado como homicídio, pois na verdade, a natureza, em sua enorme sabedoria, consegue se recuperar, já as vidas perdidas não tem recuperação, elas não voltam assim como as florestas.
As empresas sabiam dos riscos e tinham consciência de que, em caso de rompimento, vidas seriam ceifadas.
A legislação vai prever ressarcimento as famílias, mas não especifica a pena para quem, por ganancia ou despreparo, tira vidas produtivas e que deixam uma grande lacuna nas famílias.
Termino esse comentário com a frase do Padre Fábio de Melo
Vale, Vale, O teu vale é de lucros. O do povo é um Vale de lágrimas.


quinta-feira, 20 de junho de 2019

POSSE DE ARMAS É UM DIREITO? #comunicaçãopolítica #marketingpolítico


Essa semana o Senado votou contra o decreto presidencial que permitia a posse de arma por cidadãos de bem.
A realidade é que estamos com políticos que não representam o povo. Senão vejamos:
Um plebiscito efetuado em  2005  revelou que 63% da população brasileira que ter o direito de ter uma arma em casa para sua proteção.
Ora se os políticos representam a vontade do povo, então o que está então acontecendo?
Para que a população não tenha o direito de ter uma arma em casa será muito simples.
Vamos fazer uma comparação.
Quando o governo der transporte público de qualidade, ninguém mais vai precisar comprar e nem andar de carro. Obviamente todos vão preferir andar de transporte público.
Quando o governo der saúde de qualidade, ninguém mais vai precisar pagar convênio. Todos terão atendimento digno na saúde.
E quando a população tiver segurança pública, ninguém mais precisará comprar uma arma. Todos estarão tão seguros como hoje estão os políticos que tem carros blindados e seguranças armados.
Em quanto essas coisas não acontecerem, se faz necessário sim, que a população tenha direito a comprar um carro, a pagar convênios de saúde e a portar uma arma em casa para sua defesa e de sua família.
Os arautos que defendem a não liberação do direito às armas, alegam que na Europa não se permite a compra livre de armas, mas esquecem de que lá se tem transporte de qualidade, atendimento a saúde digna e segurança que funciona para todos os cidadãos.
Termino esses comentários com a frase de Wilhians Cardoso
"A segurança pública é o mal que a procura pela cura ainda esta nos estudos de laboratórios"

quinta-feira, 13 de junho de 2019

AS MENSAGENS DE MORO #marketingpolitico #comunicaçãopolitica


A semana foi impactada com a divulgação de supostas conversas pelo Telegram entre o atual ministro da Justiça Sergio Moro, promotores e procuradores da Lava Jato.
Em uma das conversas atribuídas a ele, até o ministro do STF Luiz Fux foi citado.
Nesta quarta feira dia 12, o ministro esteve no estádio Mané Garrincha em Brasília, para assistir o jogo do Flamengo.
Em clara demonstração de que seu conceito perante a sociedade não foi abalado, Moro foi ovacionado pelos torcedores.
Isso é uma ilustração de seu prestigio nas ruas e nas praças.
Que ninguém imagine que essas mensagens divulgadas pelo Intercept terão credibilidade suficiente para reduzir os aplausos ou a bandeira anticorrupção que ele carrega há muito tempo.
A credibilidade do ministro Sergio Moro foi construído ao longo do tempo por ações e postura sempre divulgadas pela mídia, o que o torna um personagem fortificado e para que possam lhe abalar, terão que provar atos inadequados feitos por ele, para que quebrem essa imagem de herói nacional.
A justiça deve ser feita sempre com base em fatos provados e comprovados.
É o que se espera nesse episódio.                   
Termino meu comentário com a frase de Nicolae Iorga
“A justiça pode caminhar sozinha; a injustiça precisa sempre de muletas e de argumentos”.


quinta-feira, 30 de maio de 2019

O PACTO DOS TRÊS PODERES #marketingpolítico


Os presidentes dos três poderes resolveram assinar um pacto a favor das reformas em 10 de junho.

O pacto prevê união dos esforços entre os três poderes em torno de uma agenda com cinco pontos:
Reforma da Previdência, reforma tributária, pacto federativo, segurança pública e desburocratização.
O Brasil vive uma crise de empregabilidade e de dificuldades econômicas. A ideia é se consolidar formalizando um pacto "a favor da retomada do crescimento".
Os últimos acontecimentos envolvendo os três poderes revelaram, na verdade, um jogo de egos feridos e uma comunicação capenga entre os poderes.
Um emaranhado de fofocas e ataques grotescos permearam a internet e os noticiários nos últimos tempos.
Quem primeiro se ressentiu disso, foi o Congresso Nacional, que foi atacado na sua presidência e em vários membros da casa, além de não serem respondidas as questões sobre as reformas.
Agora chegou aos sustentáculos da democracia, ou seja, as pilastras de sustentação: Executivo, Legislativo e Judiciário.
Esse pacto veio em uma tentativa de apagar o fogo que esta consumindo a democracia brasileira, que é formada pelos três poderes.
De nada adiantara esse pacto, se houver continuidade de ataques e fofocas, principalmente vindos da família do Presidente da República e de representantes do governo e seus aliados.
Torça para que esse pacto de frutos benéficos à população brasileira e que mais uma vez, não seja o povo quem vai pagar o pacto. 

sexta-feira, 24 de maio de 2019

BAGAGEM PAGA UMA JOGADA QUE NÃO DEU CERTO. #marketingpolitico #comunicaçãopolitica


As companhias aéreas pleitearam junto a ANAC em 2.016 a cobrança de bagagens despachadas, argumentando que isso traria um barateamento nas passagens aéreas.
Na verdade foi uma emboscada.
Ganharam o direito de cobrar (e não foi nada barato) por cada mala despachada, e para que o numero de bagagens despachadas aumentassem, estipularão e fizeram uma fiscalização rigorosa nas bagagens de mão que poderiam ter um tamanho específico e no máximo 10 quilos.
Só que isso não barateou as passagens, ao contrário, os preços aumentaram.
Para fugir da cobrança, os passageiros começaram a levar apenas bagagem de mão e obviamente, isso lotou o espaço interno das aeronaves.
As companhias se viram obrigadas a despachar malas que poderiam viajar dentro do avião gratuitamente.
Chegam a implorar nos aeroportos para que se despachem as bagagens mesmo as que podem ser levadas nos compartimentos internos.
Uma decisão dos Deputados e Senadores obriga as companhias aéreas a voltar ao sistema antigo, ou seja, bagagens até 23 quilos podem ser despachadas em voos nacionais gratuitamente.
O que falta agora é a sanção Presidencial.
Sr. Presidente, é hora do Sr. mostrar coerência dos atos com os discursos.
Sancione a gratuidade das bagagens para que ao menos uma vez, o consumidor seja privilegiado.
Prove que seu mandato é realmente para defender o povo brasileiro.