quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

ENERGIA EÓLICA IMPOSTOS - MARKETING POLÍTICO


Vamos falar sobre mais um dos projetos fantásticos de nossos deputados.


Trata-se de um projeto que tramita na câmara federal que pretende cobrar impostos sobre o vento.

você não ouviu errado não?

Taxar o vento. 

No passado tivemos uma presidente da república que quis estocar o vento, mas agora temos um deputado querendo cobrar pelo uso do vento.

Temos hoje 530 parques eólicos, (produção de energia elétrica através de pás que giram com a força do vento), sendo que 60% deles estão no nordeste.

Essa fonte de energia é renovável, não poluidora, aumenta a renda de moradores das regiões mais afastadas e proporciona que empresários possam se instalar no nordeste do país.

Acredite: o brasil será o primeiro país no mundo a cobrar royaltes sobre o uso do vento.

Quando estive na Espanha conheci parques eólicos fantásticos e a energia a um custo baixíssimo.

Porque será que toda vez que o brasileiro vai ser beneficiado com algum progresso, inventam uma conta para ser paga? 

Não se engane.

 Se colocarem impostos ou taxas sobre o uso do vento para produção de energia quem pagará esse imposto não será a empresa.

 Será você mais uma vez.

E mais fantástico ainda.

Já cogitam em cobrar impostos na geração de energia solar.

Temos sim que aproveitar 2.018, para trocar todos esses que ai estão querendo sempre tirar vantagem, sem olhar o beneficio dos brasileiros.

Lembram-se da campanha: ou o brasil acaba com a saúva, ou a saúva acaba com o brasil?

Vamos tirar as saúvas do congresso.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

ELEIÇÕES 2.018 - O QUE NOS ESPERA? MARKETING POLÍTICO




Estamos com o ano novo batendo a nossa porta e estão presentes em nossas vidas os temas emprego, retomada do crescimento e eleições.

E para ajudar Copa do mundo na Rússia.

Os eleitores brasileiros terão a oportunidade de votar em um novo Presidente da República, mas, chegam às urnas angustiados, deprimidos e preocupados com o futuro que os espera.

Nunca o País passou por um período tão traumático politicamente como agora.

Morte de candidato em 2014, reeleição de Dilma, crise econômica, desemprego, impeachment, novo presidente e Operação lava jato.

O enigma que permeia a cabeça dos Brasileiros será: que país veremos em 2.018?

Que candidatos se apresentarão e com quais propostas?

A partir de janeiro todas as pesquisas eleitorais que forem divulgadas deverão se registradas no TSE, mas isso não significa garantia de confiabilidade.

Não são pesquisas que devem dizer em quem você deve votar e sim sua consciência e preparo.

Conhecer cada candidato o que fez e o que promete fazer, seu caráter e sua história de vida.

Não adianta esperar que 2.018 seja diferente. É você que deve mudar.

Antes de votar estude bem o candidato. Veja se ele pensa como você, se responde aos seus anseios e desejos.

Para um feliz 2.018 temos que escolher um Presidente que no mínimo melhore as condições de vida de cada um de nós.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

PROPAGANDA OU COMUNICAÇÃO - MARKETING POLÍTICO


Há muito os profissionais em técnicas de propaganda e comunicação política tem insistido para que os governantes não usem tanto a propaganda durante seus mandatos e sim usem comunicação.

Parecem a mesma coisa, porem as diferenças são gritantes.

A propaganda política é usada para convencer as pessoas que uma coisa é muito boa para ela e que ela não pode ficar sem consumir isso ou aquilo.

Na comunicação política, informa-se o que se tem e deixa para que as pessoas tirem suas conclusões.

Vamos pegar dois exemplos:

Hoje estamos assistindo o governo federal insistir com propaganda tentando convencer a população de que a reforma da previdência é uma coisa boa.

A população está vacinada contra esse tipo de propaganda que abusou, e ainda abusa do poder de convencimento.

O Prefeito de São Paulo, João Dória, que usou e abusou, corretamente, da propaganda no período eleitoral, esqueceu que já está no governo e continua tentando usar as mesmas estratégias de convencimento durante seu mandato, o que está acarretando total descredito de sua comunicação.

Os políticos devem aprender de uma vez por todas que a população cresceu em seu discernimento e que sabe bem o que é propaganda e o que é comunicação.

Comuniquem o que estão fazendo e deixem que o povo julgue se está certo ou errado

Tentar convencer, durante o mandato, de que você é o melhor do mundo, é cair no ridículo e no descrédito.

A população aprendeu a separar o joio do trigo.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

MARKETING POLÍTICO – PREFEITURAS FALIDAS


Prefeitos de todo Brasil, voltaram essa semana à capital federal em busca de um reforço de caixa para fechar as contas do final de ano.

Eles estão pleiteando um repasse extra para que possam dar conta do pagamento do 13º Salário dos servidores. 

Em todo o País, os prefeitos reivindicam a liberação de R$ 4 bilhões além do que já está previsto no FPM.

Coordenado pela Confederação Nacional dos Municípios (CMN), o movimento é parte da campanha: “Não deixem os Municípios afundarem”.


As prefeituras estão enfrentando uma das maiores crises da sua história.

Segundo a CMN, 51% dos municípios brasileiros estão com as contas no vermelho em relação a folha de pagamento e já acumulam dívidas de R$ 515,4 milhões em restos a pagar.

O problema teria se agravado após a aprovação do “teto de gastos” pelo Congresso. 


Só para ter como exemplo, no Paraná, 261 dos 399 municípios ou seja,  65,4% deles) fecharam o mês de outubro sob alerta do Tribunal de Contas do Estado  por excesso de gastos com o pagamento de servidores.

A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece o teto de 54% da receita corrente líquida  para os gastos com pessoal nos municípios.

Atualmente, apenas 138 prefeituras paranaenses (34,6%) se enquadram nesse limite legal.


Além do reforço imediato dos repasses da União nesse final de ano, os prefeitos reivindicam ainda o aumento em um ponto porcentual do FPM. As verbas do fundo são a principal fonte de recursos para 70% dos municípios.


Além disso, os Prefeitos pedem a prorrogação do prazo para a destinação adequada dos resíduos sólidos, que prevê o fim dos chamados “lixões a céu aberto”.

Os prefeitos defendem ainda a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional que prevê é a atualização monetária dos repasses para execução de programas federais.


Segundo a CMN, os repasses destinados pelo governo federal para os mais de 300 programas oferecidos não são suficientes para cobrir as despesas reais.

Eles citam, por exemplo, que o governo federal repassa R$ 0,36 para a merenda escolar por aluno/dia, quando o custo efetivo das refeições chega a R$ 4,50.

A solução para esses problemas seria o governo federal deixar de captar tantos recursos para que ele decida a quem distribuir.

Os municípios receberam responsabilidades, mas não receberam dinheiro para cumprir com o que o governo federal repassou para eles.

É hora de se pensar nas responsabilidades que foram designadas para os Prefeitos e o valor dos repasses de dinheiro que o governo federal distribui para as Prefeituras.

Como dizia o saudoso Ulisses Guimarães “As pessoas moram na cidade e não no estado ou país”

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

CIRO GOMES PRESIDENTE? MARKETING POLÍTICO


Ciro Gomes está em plena pré-campanha rumo às eleições presidenciais de 2018. Agora abrigado no PDT, o ex-ministro e ex-governador do Ceará preenche sua agenda com debates em universidades e visitas a meios de imprensa, tudo para criar, ele diz, uma "corrente de opinião" capaz de levá-lo ao posto de candidato preferencial do campo progressista de preferência sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no páreo. 

O pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, acredita que uma possível ausência de Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2018 deixe o debate mais focado nas questões do país.

A pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República foi anunciada pelo PDT em dezembro de 2015. Desde então, o ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula viaja pelo país e investe em declarações controversas para ganhar terreno entre os eleitores de esquerda.  

Ciro Gomes já passou por diversos partidos e, agora, se estabelece como sendo de centro esquerda.

O grande problema para as eleições de 2.018 será a fragmentação dos candidatos de centro.

Se não houver uma coalizão dos candidatos de centro, dificilmente eles passarão para o segundo turno.

Ciro disputará ideologicamente com Geraldo Alckmin a posição de representante do centro, que deverá ter mais alguns candidatos nesta posição.

À esquerda e a direita estarão, até o presente momento, representadas por apenas um candidato de ponta, ou seja, Lula e Bolsonaro, o que os fortalece na possibilidade de ir a um segundo turno.

Apresenta-se um ambiente eleitoral muito parecido com o de 1989 que teve 11 candidatos a Presidência da República.

Com a apresentação de vários candidatos ao cargo, estima-se que um candidato que tenha de 30 a 35 por cento dos votos, no primeiro turno, estará apto a ir ao segundo turno das eleições presidenciais. E ai será outra eleição com outras demarcações ideológicas.

O grande desafio que tem Ciro Gomes será aglutinar em sua volta todas as forças de centro para se tornar um candidato viável e com condições de desbancar uma das pontas ideológicas, esquerda ou direita assumindo como único candidato de centro a se apresentar no primeiro turno.

Missão difícil, beirando o impossível.

Mas em política se diz que de cabeça de juiz, bumbum de criança e urna, qualquer coisa pode sair.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

BOLSONARO PRESIDENTE? - MARKETING POLÍTICO


Pesquisas recentes vêm assustando a militância de esquerda no Brasil na perspectiva de ver o deputado Jair Bolsonaro com possibilidades de chegar ao segundo turno das eleições presidenciais em 2018.

Esta chance é real e cabe a tarefa urgente de tanto combater o neofascismo em todas as suas versões como também interpretar as razões deste fenômeno.

Jair Bolsonaro é o messias para jovens do sexo masculino das regiões mais ricas do Brasil e com escolaridade acima da média.

É o que dizem as recentes pesquisas divulgadas pela mídia.

Hoje, grande parte dessa geração nascida após a ditadura e que cresceu num período de bonança não votaria em outro que não Bolsonaro.

É o suficiente para o representante das corporações fardadas ser o presidenciável mais badalado nas mídias sociais.

Justamente porque é desse segmento demográfico quem mais tem acesso a smartphones e gasta mais tempo conectado a aplicativos como Facebook e WhatsApp.

No meio digital, Bolsonaro está super-representado de duas a três vezes mais do que no eleitorado.

Se a eleição fosse pela internet, seria franco favorito.

O deputado já há alguns anos faz uma inflexão para o lado dos costumes, encampando um discurso típico de outro tipo de conservador: aquele com origem religiosa.

Como resultado, está super-representado também entre eleitores de fé evangélica.

A onda conservadora que varre a opinião pública brasileira, europeia e dos Estados Unidos da América,  a geração que nem estuda nem trabalha, e os saudosistas da ditadura, é que carregam Bolsonaro acima da concorrência nos cenários de primeiro turno sem Lula, mas não bastam para leva-lo a uma vitória no segundo turno em nenhuma das simulações feitas pelo Datafolha.

Bolsonaro hoje representa o que Jânio Quadros representou na década de 60 e o que Collor apresentava na década de 80.

Um discurso conservador, onde prevalece a moral e os bons costumes de eleitorais tradicionais, somando-se a isso o fator segurança que ele tão bem representa.

Bolsonaro sabe ler o que se passa na cabeça da maioria dos eleitores que querem maior rigidez na justiça e que não são a favor do desarmamento, conforme provou o plebiscito sobre esse assunto.

Essa circunstância foi favorecida pela derrocada do PT e pela corrupção generalizada em quase todos os partidos políticos.

N onda da eleição de Trump e do crescimento da direita em toda a Europa, Bolsonaro vislumbra um bom caminho até a Presidência da República.

As forças politicas brasileiras desprezam Bolsonaro tendo-o apenas como um candidato exótico.

Assim foi com Collor de Mello e assim foi com Trump, que foram eleitos com o desprezo da mídia e dos políticos.

Já está provado,  o raio pode cair duas vezes no mesmo lugar sim
QUEM VIVER VERÁ.
 

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

MARKETING POLÍTICO - O LOBBY DOS TAXISTAS

Fila para entrar como visitante no Senado Federal, corredores cheios e faixas da Esplanada dos Ministérios mais próximas ao Congresso Nacional com filas de táxis estacionados. Se nas redes sociais, a pressão é para liberar o uso de aplicativos de transporte, em Brasília, o lobby que predomina é o oposto. Nas últimas semanas, taxistas têm organizado manifestações e pressionado senadores a votarem um projeto de lei que restringe o funcionamento de aplicativos como Uber e Cabify. A expectativa é que o texto seja votado nesta terça-feira (31). De acordo com o projeto da Câmara dos Deputados (PLC 28/2017), aprovado em abril, os serviços só serão legalizados se receberem uma autorização das prefeituras, como acontece com os táxis. Eles passariam a circular com uma placa vermelha. Representantes da Uber sustentam que, se a proposta for aprovada dessa maneira, o serviço será extinto. Ednaldo Monteiro, de uma cooperativa de taxistas do Distrito Federal, afirma que o serviço de táxi não pode ser desregulamentado, nem haver retrocesso para categoria. “Estamos visando que todos estejam nos termos da lei e já estamos no mercado há um bom tempo, Somos uma profissão regulamentada e não estamos pedindo pra bloquear ou acabar com os aplicativos. Só queremos que regulamente”, afirma. De acordo com ele, a categoria tem visitado os gabinetes dos senadores para pressionar pela aprovação do projeto da Câmara. Nesta terça (31), taxistas e motoristas da Uber se organizam para um novo protesto na Esplanada dos Ministérios. Há duas semanas, representantes da Uber entregaram 815 mil assinaturas contra o projeto. No fim de semana, a empresa lançou uma campanha com a hashtag “#LeiDoRetrocesso”. De acordo com a companhia, há 17 milhões de usuários e 500 mil motoristas no Brasil.

De acordo com enquete no site do Senado, 42.906 votos foram favoráveis à proposta que restringe o uso dos aplicativos e 203.751 contra. Para o especialista em marketing político Carlos Manhanelli, a histórica ligação entre taxistas e políticos deve pesar na decisão. “É uma classe considerada formadora de opinião, então os parlamentares estão tentando protegê-los dos aplicativos”, afirma. De acordo com ele, a categoria continua tendo uma influência grande na população, mesmo com o avanço do aplicativos. “Vai permanecer por muito tempo assim, principalmente em uma eleição proporcional”, afirma o especialista. Ele destaca que no caso da disputa para deputado federal, o grande número de candidatos e o desconhecimento sobre a função aumentam o poder das informações ditas no boca a boca. Em algumas bases eleitorais, como no interior, os aplicativos não chegaram. E por outro lado, alguns sindicatos são aliados de peso de partidos como PT e PCdoB. Após a votação na Câmara, podia-se ouvir das galerias do plenário “Eu sou taxista, com muito orgulho, com muito amor”. De acordo com o projeto de lei aprovado na Câmara, os municípios ficariam responsáveis pela fiscalização, cobrança dos tributos e a emissão de Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) de prestação do serviço. Será exercida contratação de seguro de acidentes pessoais de passageiros e do DPVAT para o veículo. O texto prevê que o motorista tenha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com a observação de exercício de atividade remunerada e que ele esteja inscrito no INSS como contribuinte individual. igualmente é exigido que os motoristas sejam cadastrados nas empresas de aplicativos ou na plataforma de comunicação. Apresentado na Câmara em junho de 2016, o texto é de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), secretário de Transportes de São Paulo na gestão de Marta Suplicy. O texto não seguiu o rito tradicional e no dia da votação foi incluído na pauta do plenário às pressas. No Senado, há dificuldades de chegar a um entendimento. Alguns senadores se comprometeram a apresentar emendas para retirar a necessidade da placa vermelha e liberar o uso de carros de terceiros por motoristas credenciados. Na semana passada, o senador Pedro Chaves (PSC-MS), relator de uma proposta alternativa, não conseguiu voltar o texto na Comissão de Ciência e Tecnologia da Casa. No mesmo dia, o plenário do Senado aprovou a urgência do projeto de lei, isto é, ficou decidido que o texto seria votado em plenário e não passaria por outras comissões. A decisão foi comemorada pelos quase 600 taxistas que estavam em Brasília. De acordo com a proposta de Chaves, os aplicativos seriam classificados como “transporte privado individual remunerado” e não público. O texto prevê que todos veículos estejam com impostos e multas quitados e tenha seguro para acidentes pessoais a passageiros. Não será obrigatório que o motorista seja o dono do veículo, mas que informe ao provedor do serviço a lista de todos os veículos que usará. Não poderão ser contratados motoristas com antecedentes criminais relativos a: crimes de trânsito, crimes contra a dignidade sexual, homicídio, lesão corporal grave ou seguida de morte, sequestro e cárcere privado, tráfico de pessoas, roubo e extorsão mediante sequestro e outros crimes “praticados mediante violência contra a pessoa ou grave ameaça”. O substitutivo igualmente obriga os provedores dos aplicativos de internet a manter cadastro atualizado de todos os motoristas e prevê a criação de diversas obrigações aos donos ou responsáveis pelos aplicativos, como manter sede, filial ou representação no Brasil. Hoje, motoristas da Uber arcam com o custo total do veículo, não tem isenção de impostos e pagma ISS como MEI (Microempreendedor individual) ou Simples a cada nota fiscal emitida. Taxistas têm isenção de IOF e IPI na compra do carro. Em São Paulo, um taxista paga cerca de R$ 255 em taxas anuais, e, no Rio, R$ 429 à prefeitura e precisa ter a licença para circular. Em São Paulo, igualmente é exigido o Condutax, um cadastro que vale por cinco anos e custa R$ 415. Motoristas de aplicativos não pagam essas taxas e circulam sem autorização das prefeituras. Em São Paulo, é exigido além disso curso específico para se tornar taxista, que custa R$ 127,54. Os aplicativos dispensam tal exigência. Quanto aos ganhos, o taxista autônomo fica com o valor integral da corrida, enquanto na UberBlack, 20% do valor da corrida fica para o aplicativo, e na UberX, 25%.