quinta-feira, 14 de março de 2019

SUZANO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Comunicação Política


SUZANO
Hoje esse nome é sinônimo de tragédia.
Vamos analisar alguns pontos.
- Desarmamento:
Algumas pessoas estão falando que o desarmamento é a solução para evitar essas tragédias.
Será que o desarmamento vai evitar a venda de machadinha para camping, besta com dardos, arco e flecha e revolver com numero raspado? Essas armas são compradas em qualquer lugar. É preciso saber o que arma os cérebros. Qual gatilho é apertado para promover essas barbáries.
- Armar os professores
Sou professor e com certeza, me recusaria a portar arma em sala de aula, pois com isso, assumiria a responsabilidade pela segurança dos alunos.
Quem tem que assumir a segurança é o estado.
Em escolas particulares só se consegue entrar pelas catracas que selecionam quem realmente pode adentrar ao recinto, além de, em muitas delas, existir um detector de metais e seguranças para monitorar a entrada e saída.
- Maioridade Penal
Usar o que aconteceu em Suzano como exemplo para diminuir a maioridade penal, é o exemplo mais esdruxulo que conheci até hoje.
Primeiro porque um dos ativistas era maior de idade e os dois suicidaram-se , inclusive o que era menor de idade.
- Proselitismo político:
Usar esse momento trágico como argumento de discurso político é exemplo claro de oportunismo e desumanidade.
A exploração de tragédias como a de Suzano é a pior marca nos debates estúpidos entre direita e esquerda no Brasil.
 Argumentos ridículos, forçados, se utilizam para atacar o outro lado. Não existem vencedores nem vencidos nesse momento. Quem perde é o ser humano.
Termino esse comentário com a frase do grande Teotônio Vilela
A MAIOR TRAGÉDIA DO BRASIL NÃO É A DÍVIDA EXTERNA, NEM A DÍVIDA INTERNA: É A DÍVIDA SOCIAL.

quarta-feira, 13 de março de 2019

COMUNICAÇÃO PRESIDENCIAL NO BRASIL Comunicação Política


A comunicação presidencial está nos deixando completamente tontos.
A atual comunicação Presidencial tem três vértices: o do porta-voz oficial, general Otávio Rêgo Barros, que lê comunicados, interpreta atos da administração e do presidente; o da Secretaria de Comunicação, que fala do cotidiano, que opera junto aos meios e redes tecnológicas; e a modelagem familiar, coordenada pelo filho Carlos, além do próprio presidente, que veicula mensagens quentes e polêmicas no Twitter.
Difícil manter coerência e harmonia com tantas fontes, cada qual com linha própria.
O general Barros dá o tom oficial; a Secom oferece suporte e o grupo familiar age como guerreiros em batalha.
Obviamente a comunicação familiar ganha maior audiência: causa impacto e polêmica ao transformar pai e filhos em municiadores do exército aliado.
Enquanto o general Barros tenta aparar arestas, estas são expandidas pelo próprio presidente e o filho Carlos.
O princípio essencial da comunicação – coerência – é substituído por dissonâncias. Quanto mais ruído, mais dispersão, maior distúrbio no processo, minando a credibilidade da administração.
As redes sociais se prestam bem às comunicações informais, torrente que mistura emoção com achismos, bílis com desavenças, carinhos com puxa saquismo e principalmente o uso e abuso de fake news.
Usá-las como principal meio para a comunicação oficial de um governo é misturar o público e o privado. Quando os dois territórios se bifurcam, a comunicação acaba sem rumo, desmanchando os limites da verdade.
Termino esse comentário com uma frase encontrada nos Contos Árabes.
Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra.

Baseado em texto do Prof. Gaudêncio Torquato

terça-feira, 5 de março de 2019

APOSENTADORIA E A NOVA PREVIDÊNCIA Comunicação Política


O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, alertou que a divulgação da reforma da Previdência é de extrema importância e como é um assunto complexo terá que ser bastante debatida com a população. 
Afirmou que depois do carnaval já deverá estar funcionando um call center para tirar dúvidas e um site para fazer a simulação das novas opções de aposentadoria.

O Planalto precisa convencer a sociedade e os parlamentares sobre a necessidade da reforma.
A ideia é não cometer os mesmos erros de Temer e combater as fake news.
Muito se tem falado e várias versões aparecem a cada segundo tentando explicar o que o governo está propondo de mudanças na aposentadoria.
O que deve ser feito são canais interativos de comunicação, ou seja canais onde a população possa perguntar e tirar suas duvidas.
Colocar internet e call center  (telefones) com respostas pré-concebidas e um call center com atendimento por gravação, não irá elucidar as várias duvidas de quem está procurando a aposentadoria e suas novas regras.
Tanto na internet como no telefone, o atendimento deve ter condições de, através de atendentes capacitados, tirar as duvidas do projeto.
A aposentadoria é um assunto que vai interferir na sociedade como um todo e, se não for bem explicado e entendido, tanto pela população como pelos parlamentares que irão votar o projeto, teremos com certeza, reações contrárias às novas regras de aposentadoria.
Termino esse comentário com a frase de Josemar Bosi
Tem tanta gente ganhando aposentadoria, totalmente fora do contexto econômico brasileiro, que se for acertado, no mês seguinte, o Brasil será aquele país do futuro que nunca chegava.