quarta-feira, 19 de junho de 2013

É HORA DE FALAR


 
O que está acontecendo com o Brasil, que vive manifestações até em cidades do interior, onde isso nunca aconteceu?

Na minha análise, o povo esta completamente desiludido com os governantes que passaram pelo poder.

Depois de 30 anos de ditadura, ganhamos o direito de eleger Presidente da República e sempre depositamos nossas esperanças e expectativas de vida melhor no voto.

Decepções, desilusões e constatação de que os eleitores foram enganados são sentimentos que permeiam a população.

Primeiro Collor de Melo se elegeu prometendo fazer um governo voltado para os descamisados. A primeira providencia foi meter a mão na rala poupança e dar uma banana para os descamisados e pés descalços. Nada fez para abrandar a necessidade dos mais pobres.
Vamos para as ruas e, sem derramar uma só gota de sangue, destituímos o Presidente.
Fernando Henrique e o plano real foram eleitos para manter a estabilidade da moeda. Manteve, mas sem nenhuma ação que pudesse ajudar o povo mais carente a melhorar seu “status quo”. Grandes obras, privatizações, mas o básico mesmo continuou na mesma.
Então chega o grande líder que surge das massas. Lula afirma em seu discurso eleitoral que conhece as necessidades do povo, porque as viveu na pele. Fome, falta de saúde, educação, moradia e transporte público ele saberia resolver, afinal ele passou por tudo isso. 
A população esperando e depositando suas esperanças em dias melhores no que se tem de mais necessário.
Implanta-se a bolsa família que não supre a falta de ação governamental nos serviços básicos.
O discurso de moralizar o governo cai por terra com os Zés do partido que estavam dentro do governo.
20 anos se passaram e nada das promessas serem cumpridas, por nenhum dos governantes que aqui passaram.
Dilma se elege pedindo mais tempo para fazer acontecer às medidas necessárias para que a população possa viver com o mínimo de dignidade. E nada.
A televisão e os jornais mostram durante todos os governos, pessoas morrendo em filas de hospital, sem atendimento médico, sem exames clínicos e laboratoriais, sem dignidade.
Mostram os sem teto no relento, as pessoas se espremendo em ônibus e metrôs completamente lotados, trens abarrotados e semelhantes a latas de sardinha, as escolas no interior do país sem as mínimas condições de funcionamento, sem esperanças.
Uma pequena fagulha pode acender uma grande fogueira. 
Sobem as passagens de ônibus quase que simultaneamente na maioria das cidades do Brasil. A inflação chega e mexe no bolso da “nova classe média”.  Mexerem na parte mais sensível, o bolso. A alimentação encarece a vida do cidadão.
Deságuam na cabeça da população todas as esperanças, expectativas e promessas feitas e não cumpridas.
Insatisfação é a palavra de ordem.
O Governo gastando milhões e milhões com o futebol e o pai vendo seu filho chorar de dor sem atendimento médico.
Futebol é bom, mas não resolve.
E se vai às ruas, não por R$0,20 centavos, mas pela pequena fagulha que isso representa e que pode acender a grande fogueira.
Fica a pergunta: ”foi para isso que lutamos tanto para ter a democracia e o direito de votar em Presidente?

6 comentários:

  1. Bravo ! Muito bom ;)

    ResponderExcluir
  2. O que me incomoda, como consultor, é que os políticos continuam usando a mesma estratégia que gerou toda essa insatisfação, chamando a população de idiota. Tentam manipular com fantoches bem treinados a opinião pública, jogam sujo com policiais disfarçados incitando a violência nas manifestações, cobram por lideranças à população que está cansada dessa lógica de ser liderada. Quando vão aprender que Marketing Político não é isso, que nosso trabalho faz muito melhor essa ponte entre político e sociedade do que esses joguetes com jornais e aparelhos repressivos?

    ResponderExcluir
  3. O DESPERTAR DE UMA NAÇÃO

    Mais uma vez os jovens salvam o país. Foi assim no IMPEACHMENT de Collor e, agora, os jovens voltam às ruas carregando nos ombros a insatisfação de uma Nação inteira. Desta vez, a manifestação veio turbinada de uma poderosa arma chamada redes sociais.
    Coube à rede disseminar e ampliar os sentimentos de uma população inconformada com a prestação ineficiente dos serviços públicos.
    O Brasil está despertando do berço esplêndido, saindo da zona de conforto, e desta vez o grito não é de independência ou morte, mas de respeito pelo povo brasileiro e pelas instituições.
    http://www.facebook.com/joao.ribeiro.336333

    ResponderExcluir
  4. Veras que o filho teu não foge a luta! O País acordou e já estava na hora, a juventude que jogou Collor acordou novamente. Saiu do Face e ganhou as ruas, largou o MSN e falou cara a cara, pintou novamente o rosto com as cores mais bonitas da nossa bandeira. Talvez os 20 centavos fossem apenas o custo da primeira ligação de um para o outro dizendo, chegou a nossa vez! O GIGANTE TEM QUE ACORDAR, a hora é agora! São tantos os políticos que fazem o que bem entendem que saqueiam os cofres públicos, que fazem do poder! Bilhetes da mega sena premiado, saindo da pobreza e se tornando milionários, como se explica isso se o salário de um político não pode e nem deve o tornar milionário. Se um dia nesse País um politico fica-se realmente atrás das grades, teríamos o direito de dizer o Pátria Amada Idolatrada, Salve Salve.

    ResponderExcluir
  5. "Á revelia das predisposições nenhuma manipulação prospera". Cid Pacheco

    Incrível é a ignorância completa dos mecanismos que interferem no processo de formação da opinião pública.

    Muitos continuam a crer na velha e ultrapassada teoria da bala perdida das décadas de 30-40.

    Já em 1945 Lazarsfeld (Universidade de Columbia)já falava em "two step flow", e o "multi step flow" reconhecido até hoje já corria soldo na década de 1950.

    A ABCOP aborda o tema nos seus cursos desde a década de 1990, que marca sua fundação.

    Parabéns Carlos, pela costumeira simplicidade na explicação de fenômenos tão complexos, muitas vezes difíceis de entender para alguém com olhar um pouco mais distraído.

    Parabéns Caio, pela capacidade de indignação que você ainda conserva na sua juventude.

    Para nós, resta a tarefa de continuar insistentemente nosso trabalho de "evangelização" da comunicação eleitoral e política, na esperança de estarmos contribuindo para consolidação da nossa democracia.

    Quanto tempo será necessário ainda, e a que custo, continuar assistindo as práticas manipuladoras na tentativa de impor suas vontades, à revelia das predisposições?

    Esperança, fé e persistência para todos nós.

    Um abç

    MS

    ResponderExcluir
  6. Só se fala dos politiqueiros que não atenderam aos anseios da sociedade. Porém, o óbvio não é lembrado: politiqueiro malandro não cai do céu. É eleito e reeleito... Por quem? Hein? Hein?

    ResponderExcluir